Empresas aumentam gastos contra crimes virtuais

0

Receba novidades em tempo real diretamente no seu dispositivo, é Grátis !

A nova pesquisa realiza pela Ernst & Young mostra que 55% das empresas consultadas pretendem aumentar os investimentos em novas tecnologias de segurança neste ano e 47% pretendem aumentar o orçamento voltado para continuidade de negócios e recuperação de desastres.

Entre os principais impulsos para este crescimento estão recentes exemplos de ataques sofridos por grandes companhias, que mostram a vulnerabilidade de algumas redes corporativas.

Sean Sullivan, especialista em segurança da F-Secure, afirma que, com as últimas violações que ocorreram, as empresas estão percebendo que precisam de várias camadas de segurança.

“Atualizações de software, antivírus e firewalls são apenas o começo. As equipes de segurança também precisam monitorar proativamente o problema. Existem atualmente muitas abordagens novas no mercado”, afirma Sullivan, que trabalha nos laboratórios da F-Secure na Finlândia.



“Ter antivírus não é suficiente. É preciso mais camadas”, diz André Carrareto, estrategista em segurança da Symantec.

Segundo ele, a próxima onda é a proteção dos dispositivos móveis, algo que ainda “engatinha” no Brasil.

Segundo Sullivan, além de investir em tecnologia é preciso lembrar também que uma das principais vulnerabilidades de grandes empresas como Facebook são os próprios funcionários. “Elas sempre estarão vulneráveis por causa das pessoas. Eles são o elo mais fraco”, diz.

Falhas graves dos usuários

“O vazamento não intencional acontece com frequência muito grande”, afirma. Atitudes consideradas inofensivas como gravar informações confidenciais em pen-drives ou enviar conteúdos para o email pessoal podem abrir portas para ataques. De acordo com a pesquisa  a preocupação com a educação do usuário nas empresas está aumentando.

Brasil

O Brasil tem ocupado posições de destaque nos rankings de ataques cibernéticos. Em dezembro o país alcançou a terceira colocação no ranking dos países com o maior número de empresas atacadas por hackers do mundo, de acordo com um relatório de dezembro feito pela RSA.

O país foi responsável por 5% do volume global, ao lado de Austrália, Índia e Canadá, enquanto Estados Unidos e Reino Unido lideraram a lista, respectivamente, o phishing é hoje a principal maneira utilizada por hackers para invasão de dados corporativos e pessoais.


Fonte : Information Week

Receba novidades em tempo real diretamente no seu dispositivo, é Grátis !

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais